A vida financeira de uma prostituta

Uma-linda-mulher1.jpg

Um advogado resolve os problemas jurídicos de seus clientes. O médico cuida da saúde dos pacientes. O vendedor tem como meta vender o máximo possível. Cada profissional possui um campo de atuação, uma área para a qual vai dedicar seu foco. Todos eles, porém, precisam lidar com o próprio dinheiro.

Recebi uma ligação de uma amiga da época do colégio. Depois de 2 ou 3 minutos de amenidades protocolares, ela perguntou se a minha consultoria financeira tinha como público-alvo os profissionais de algum setor. Questionou pelas beiradas, perguntou se autônomos poderiam se beneficiar, se eu já havia atendido alguém que cobrava por hora e, depois de algum rodeio, finalmente mandou a real:

— Uma amiga minha está precisando muito de consultoria. Posso te indicar?

— Pode, claro. O que ela faz da vida?

— Ela é prostituta.

Os números por trás da profissão

Feita a ponte, estimei uma certa duração para o processo, baseada na quantidade de horas necessárias para esclarecer as dúvidas e organizar a casa. Mandei a proposta por e-mail. A Fabi (nome fictício, para facilitar daqui pra frente) era habilidosa com os números e me respondeu rapidamente, aceitando o valor sugerido e fazendo piada:

— Sua hora é mais barata que a minha!

O processo todo foi bem interessante e rendeu insights bastante valiosos que vou apresentar ao longo do texto. A inteligência financeira necessária para ser uma garota de programa bem sucedida não se aplica apenas aos profissionais do ramo. Deixarei o moralismo e as questões existenciais de lado para focar no aspecto financeiro da coisa toda.

A verdade é que a Fabi tem uma empresa e essa empresa fatura bem.

Sexo é sexo, negócio é negócio

A Fabi é uma prostituta de luxo, como ela mesma se define. Trabalha quatro dias por semana e, no começo do papo, disse que ganha cerca de R$ 16.000,00 por mês. Dois dias por semana atende no flat que divide com uma amiga, também profissional do sexo. Nos outros dois, atende nos quartos que ficam no andar superior da noturna que frequenta.

Começamos destrinchando a vida profissional da Fabi em duas frentes principais: dias de trabalho no flat e dias de trabalho na casa noturna. Muitas vezes, imerso na rotina, preocupado com os aspectos técnicos do trabalho, o autônomo não se permite esse olhar mais distante, macro, estratégico. Como é composto, no detalhe, o faturamento? O dinheiro vem de um lugar só, ou você possui mais de uma frente de negócio? Se possui mais de uma, como é essa distribuição? Esse é um processo é muito importante. Mesmo que você decida seguir com uma frente de trabalho que é financeiramente menos lucrativa, é fundamental entender quais são os pilares que mantém sua empresa de pé.

WhatsApp+Image+2019-05-15+at+10.31.34.jpg

Nos dias em que trabalha na casa noturna, geralmente faz 4 programas, cujo preço varia entre R$ 250 e R$ 350 (os mais caros envolvem sexo anal). Tirando uma média disso tudo, o faturamento diário fica em torno de R$ 1.200,00. Multiplicando isso por dois (já que são dois dias de trabalho na casa noturna, por semana), chegaremos em R$ 2.400. Considerando meses de quatro semanas, chegaremos em um total de R$ 9.600.

Já nos dias em que trabalha em casa, faz 5 ou 6 programas e cobra de R$ 200 a R$ 300, ou seja, R$ 1650 por dia. Seguindo o mesmo raciocínio, dois dias por semana, quatro semanas no mês, chegaremos em um faturamento mensal de R$ 13.200.

Com o faturamento das duas frentes entendido, é fácil chegarmos em um valor consolidado, basta somar. A Fabi consegue algo que é raro no universo dos autônomos: ela c manter consegue manter a média de faturamento muitíssimo próxima do potencial máximo, ou seja, fatura em torno de R$ 22.800 praticamente todos os meses. De novo, isso não é comum. Oscilações de faturamento, geralmente, estão presentes na vida do autônomo. Esse é, inclusive, o assunto de uma das aulas do Finanças Para Autônomos, curso online que ofereço e que contará com novas vagas em breve. Disponibilizei essa aula gratuitamente (neste link →), não precisa fazer nenhum cadastro, é só clicar e assistir mesmo.

Com o total rabiscado no papel, tudo o que a Fabi conseguiu falar foi: “Meu Deus, eu não vivo como uma pessoa que ganha 23 mil por mês. Tenho certeza que eu não ganho isso!”.

É uma reação comum. Passamos períodos longos sem ponderar se estamos direcionando nossos recursos para o que consideramos uma vida boa, prazerosa, significativa. Vivemos no piloto automático. Não refletimos se os boletos que estamos pagando fazem sentido, se é de fato para lá que gostaríamos de direcionar nosso dinheiro e, por consequência, nosso tempo e nossa energia. A questão é complexa por si, mas torna-se ainda mais capciosa quando entendemos que a resposta é extremamente particular. Afinal, para você, o que é importante? De onde vem a sua sensação de satisfação, de bem estar?

Comento, logo nos primeiros capítulos do Dinheiro Sem Medo que o dinheiro é ferramenta e que pode assumir muitos papéis. Se colocado no lugar certo, se administrado da maneira mais inteligente (e, por favor, não estou falando de planilhas de excel!), ele é capaz transformar contextos, de potencializar habilidades, de tirar sonhos do papel. Se gerenciado com displicência, as possibilidades são muito mais limitadas. Com sorte, ele servirá para manter as contas em dia (e na maior parte dos casos nem isso ele será capaz de fazer).

Na ponta do lápis

A Fabi era professora de inglês assalariada antes de se dedicar integralmente à carreira de garota de programa. O salário era mensal e caia todo dia 30, direitinho. Desse jeito fica fácil de enxergar os números e administrar a conta.

Na nova carreira ela precisa começar a lidar com alguns conceitos simples de gestão, se quiser realmente fazer dinheiro. Faturamento não é salário e esse é um engano bem comum, especialmente entre os autônomos (taxistas, psicólogos, dentistas, médicos, freelas em geral). O faturamento, no contexto da Fabi, é a grana que entra. O "salário" – vou me permitir uma generalização grosseira, que funciona neste cenário, mas não corresponde, necessariamente, à definição mais formal – pode ser entendido como o lucro, como o que sobra depois dos custos todos. Os custos da Fabi são altos e isso fica evidente quando analisamos as frentes separadamente. Exemplos:

  • Nos dias de bordel, onde o faturamento diário é de R$ 1.200,00, existe um custo bem significativo: a locação do quarto. Cerca de R$ 70 por hora. Além disso, costuma beber bastante. A comanda geralmente fecha em R$ 150. Para ir e voltar, tem o táxi, R$ 60 por noite. O faturamento de R$ 1.200 resulta em R$ 650 líquidos, margem de lucro de 53%. A margem, aliás, é outro conceito importante que abordamos na aula.

  • Nos dias de trabalho em casa, com faturamento de R$ 1.650, o custo é bem baixo. “Bebidas baratas e muito serviço de lavanderia, coisa de R$ 100 por dia”. R$ 1.550 líquidos, margem de lucro de 93%.

Brincamos mais um pouco com os números, detalhando os custos, pedacinhos por pedacinho, e chegamos ao valor total líquido: R$ 15.000. Continua sendo um belo valor. "Fabi, são R$ 15.000 por mês, líquidos...".  Mas todo mês falta. O caso da Fabi vai se mostrar bem caricato, mas todos nós padecemos de um mal bem comum por vivermos em uma sociedade forjada em consumo e status: nós pagamos para trabalhar.

Quanto você gasta para continuar trabalhando?

Gastamos bastante dinheiro para sustentar nossa identidade profissional. Cada profissão demanda uma certa postura – e algumas delas são bem caras de se manter. Acabamos por criar uma persona que se adapta ao ambiente profissional que frequentamos. Fica fácil de perceber entre diversas profissões, mas vou tomar por exemplo os publicitários.

Publicitários bem sucedidos precisam se vestir bem. O batido networking não é feito em um boteco de esquina com cerveja barata. Ele precisa frequentar bons bares, que ficam localizados em bairros onde não se estaciona por 3 horas por menos de R$ 50. Nas férias, exausto da rotina, ele dificilmente vai curtir uma praia no litoral de São Paulo. É um estilo de vida bem puxado. Dentro da máquina, totalmente inserido, faz sentido manter as aparências.

A Fabi não costuma frequentar lugares caros, mas não esconde o prazer de andar por aí dirigindo uma Tucson de R$ 80.000,00. As amigas, profissionais do sexo, também gostam de carros grandes. Quando chegou em São Paulo, adorava comprar sapato na Arezzo. “Agora acho Arezzo sapato de puta ralé. As vezes eu viajo com cliente, preciso estar bonitinha, né? Homem chique gosta de mulher bem-vestida”. Hoje compra sapatos na Zeferino. Cada par custa algo por volta de R$ 600. Contou de uma vez que foi passar o final de semana na chácara de um cliente e escutou “Não te pago R$ 400 reais por hora para você aparecer aqui de Melissa”. No pulso, carrega uma pulseira da marca HStern, que comprou por 10x de 900 reais. “É bom pra intimidar o cliente”. Paga R$ 600 de mensalidade na academia e investe cerca de R$ 600 em drenagem linfática, todos os meses.

“Às vezes eu acho caro, mas aí eu penso que é só um ou dois programas a mais e acabo seguindo. Mas dificilmente eu cuidaria tanto assim do meu corpo se não trabalhasse pelada”.

As frentes de negócio

A grana não é o único recurso escasso que temos que manejar. Tempo e energia são recursos preciosos e limitados também. É importante analisar com frieza cada atividade desempenhada pela empresa. Se ela não apresenta lucro, nem traz satisfação, nem qualquer outro benefício colateral, é provável que mais atrapalhe que ajude.

Fabi e eu caímos nesse embate. As margens de lucro dos dias trabalhados em casa e dos dias trabalhados na zona são muito diferentes. Além disso, ela disse que quando vai para a zona acaba chegando em casa exausta por conta da quantidade de drinks e cigarros consumidos durante à noite. “No dia seguinte estou imprestável”. Surgiu a ideia de trocar a agenda: 3 dias em casa, 1 dia na zona.

A relutância surgiu porque era na boate que ela encontrava as amigas. Depois de pensar um pouco, acabou cedendo. Ela poderia encontrar as amigas nos dias livres.Muitas vezes a gente segue fazendo um monte de coisa, investe em mil atividades, por pura preguiça de se debruçar sobre elas e analisar o que realmente traz retorno – e por retorno, entenda satisfação, prazer, relaxamento, alegria, enfim, realização.

Nossa percepção de valor a respeito de produtos e serviços é muito frágil e burlável. Fabi tem clientes que transam com garotas de programa toda semana. “Eles vão experimentando e postando no GPGuia”. Um dos fatores que consideramos na hora de avaliar qualidade é o preço. Não somos capazes de opinar de maneira imparcial e não enviesada. Produtos mais caros fatalmente recebem olhares mais carinhosos.

Vale se debruçar sobre o clichê: no caso de dobrar seu preço, vai perder metade dos seus clientes? Se a resposta for não, provavelmente faz sentido dobrar.

“A vida das meninas que trabalham para clientes endinheirados é mais fácil”, ela concluiu. “São mais presentes, mais viagens, menos encheção de saco para cobrar”. No caso da Fabi, dobrar era inviável, especialmente por conta da local onde morava, mas um aumento de 30% no preço caiu bem. É questão de posicionamento.

O retorno dos investimentos

Com o aumento do preço surgiu o medo da agenda ficar vazia. O site que a Fabi utilizava para divulgar suas fotos era bem amador, mas o site novo sempre ficava para depois porque ela achava que R$ 3.500,00, valor cobrado pelo responsável, era absurdo.

O valor é significativo (mais de 15% do faturamento da empresa), mas pode facilmente ser considerado um belíssimo investimento. Poucos clientes a mais já fariam o esforço valer a pena. “É menos do que o que você gasta com academia e drenagem em 3 meses, Fabi. E é pra vida toda”, argumentei. Esse, sim, seria um investimento mais palpável. Marketing é sempre uma questão muito delicada, especialmente para os prestadores de serviço. No fim, a Fabi estava cogitando pagar alguém para acompanhar os fóruns e redes sociais e avisá-la a respeito do que estava sendo dito por lá.

Muito do capital gasto em roupa, academia e salão de beleza estava lá mais por vaidade do que por zelo com o trabalho. No caso da Fabi, o lance todo acontece ao redor da questão estética, mas é bem comum cometermos o mesmo deslize tendo como foco outro capricho. Livros, por exemplo: a gente jura que é investimento, que é para ser um profissional melhor, uma pessoa melhor, que livro é sempre bom, mas a verdade é que muitas vezes a gente mal lê os que a gente tem e quer mesmo é uma estante bem cheia. Mea culpa.

Com a mudança na agenda a rotina ficará mais confortável, ou seja, é provável que a Fabi consiga tocar a vida com mais disposição e, muito provavelmente, seja capaz de consumir de maneira mais inteligente. O aumento de preço provavelmente gerará um aumento de faturamento, que permitirá que ela invista melhor: menos em ações pontuais (a compra de um sapato ou joia) e mais em ações perenes, como o novo site, que tem potencial para alavancar o negócio como um todo.

Muda o personagem, seguem os dramas

Passamos por vários pontos relevantes, presentes na vida da maioria dos autônomos: gerenciamento de custos, análise do faturamento, precificação, investimentos de curto, médio e longo prazo, equilíbrio entre vida pessoal e profissional.

Se você toca seu próprio negócio, é bem provável que já tenha se deparado com questões parecidas com essas. Quais paralelos você é capaz de traçar, entre a vida financeira da Fabi e a sua? Quais mudanças aplicadas no negócio dela você poderia, de alguma forma, aplicar ao seu negócio também?

Mesmo que você não toque seu próprio negócio, te convido a reflexão sobre seus custos e suas prioridades (que eu costumo chamar de fotografia) pode ser bastante útil. Seu dinheiro, seu tempo e sua energia estão sendo direcionados da melhor forma?

A origem desse texto (e um pouco sobre meu trabalho)

Este texto foi originalmente publicado em 2014, no Papo de Homem, e de lá para cá ele sofreu algumas alterações. O pilar central, no entanto, segue: a ideia é apresentar alguns dos dilemas financeiros enfrentados pelos autônomos, bem como sugerir alguns exercícios e reflexões que podem ser úteis, não importa qual é sua área de atuação.

Nos últimos 7 anos tempo atendi alguma coisa entre 250 e 300 clientes, ofereci formações e cursos, conduzi umas 150 rodas de conversa sobre grana e dei algumas dezenas de palestras por aí. Também publiquei dois livros, a convite da Editora Saraiva. O segundo livro, aliás, tem muita conexão com o tema deste texto:

img.jpg

O Finanças Para Autônomos está disponível em todas as grandes livrarias, online e offline.

Um convite!

Dediquei boa parte de 2017, 2018 e 2019 a criação de dois cursos, o Dinheiro Sem Medo e o Finanças Para Autônomos (mesmo nome dos livros!). Se você busca algo mais potente, contínuo e coletivo, eu não poderia recomendar mais. Conto mais sobre eles por aqui →

É isso.

Um abraço grande e seguimos.

eduardo antunes