Vidas possíveis: Aninha, 23 anos, sempre com a mochila atrás da porta

Esse é um dos perfis do capítulo "Vidas possíveis", do livro Dinheiro Sem Medo, publicado pela Editora Saraiva, em 2017.

217c3cc2257e5bb9c76f1c01dbb0de24--coin-jar-mason-jar-crafts.jpg

“Eu odeio trazer marmita para o trabalho. Meu sonho é poder gastar meu vale-refeição todo dia”.

Essa foi uma das primeiras coisas que Aninha me disse. Perguntei como ela fazia para gastar o VR com outra coisa que não comida, e recebi um olhar que, se tivesse tradução, seria algo como “deixa de ser ingênuo, moleque”. Ela me contou, em seguida, que vendia o cartãozinho abastecido com R$ 700 por R$ 600 em algumas lanchonetes que fazem a manobra, e que esses R$ 600 complementam o salário de R$ 700 que recebe como estagiária em uma empresa que presta serviço para o governo, no setor de habitação social. Recebe R$ 1.300 no total. “Peguei trauma. No ensino médio eu levava marmita, mas não tinha geladeira, aí estragava direto”.

Mora com a mãe e o irmão, e os dois ajudam em casa. Ela paga a conta da internet e dos serviços on-line (música e filme) que consomem (R$ 200), ele paga a conta de luz (“Não faço ideia, mas acho que é menos que R$ 200”). Com roupa gasta pouquíssimo. A cada três meses dá uma passada na 25 de Março (região de São Paulo com lojas populares e barraquinhas) e busca promoções. “Minha mãe até briga, fala que eu deveria comprar mais, me arrumar mais... mas eu acabo gastando com viagem mesmo”. Pedi para ela me contar sobre as viagens e foi como se tivéssemos aberto a caixa de pandora. “Já fui para Los Angeles, para Nova Iorque, e acabei de voltar de Londres”. Perguntei se ela tinha outra renda e ela riu. “Não, é só o dinheiro do estágio mesmo, é que eu viajo barato. Na viagem a Nova Iorque, por exemplo, eu comecei a organizar tudo 10 meses antes. Reservei a casa de família em que eu fiquei, paguei em duas vezes, aí depois todo mês que sobrava um dinheirinho eu comprava nem que fosse 50 dólares, 70 dólares, 100 dólares, o que desse.” Em seguida, contou que ficou esperando ansiosamente a promoção da passagem aérea, que veio 3 meses antes da data da viagem. Parcelou a passagem em 5 vezes. Se enrolou para passar o fim de ano, mas disse que valeu a pena, demais. “Se eu não estou juntando dinheiro para viajar, estou pagando uma viagem que já fiz... Sempre tem algo relacionado no meu cartão de crédito, cerca de R$ 600 por mês”. A estratégia é gastar o salário nominal (R$ 700) com as viagens e sobreviver com o vale-refeição, mas nem sempre o plano é bem sucedido. Na maioria dos meses, o cartão de crédito vem próximo de R$ 1.000, que basicamente representa as parcelas relacionadas às viagens, aos shows e às festas que gosta de frequentar.

Paga a anuidade do cartão em 6 vezes, 30 reais por parcela. Conforme o papo sobre os pequenos gastos evoluiu, entramos em outro centro de custo: a fé. “Eu cresci na igreja, frequento desde os 7 anos. Atualmente cruzo a cidade para chegar lá, mas vale a pena, porque é lá que eu me sinto bem, vou todo sábado e domingo.” Além do dízimo (R$ 70) – “pra mim, isso nem é custo, Deus me deu tudo, porque eu não posso dar 10%?” –, Aninha gosta de participar das convenções que acontecem de tempos em tempos. Falei que era impossível que o salário dela bancasse tudo isso e, de novo, ela riu. “Não, é que a gente dá um jeito de levantar dinheiro para ir aos eventos. Minha líder costuma vender água no farol, às vezes nós vamos com ela, dá para fazer um bom dinheiro. Teve um sábado que nós fomos em 6 meninas e conseguimos quase 500 reais de lucro”.

Disse que sabe que vive uma vida bem além do que poderia bancar (“ninguém que ganha R$ 1.300 por mês viaja para fora do Brasil todo ano!”), mas está consciente que isso só é possível porque conta com a base que a mãe oferece. Fica aliviada por ter o nome limpo e sente que seria bastante capaz de enxugar tudo isso, caso a conta batesse no negativo. Vê perspectiva de melhora no curto prazo, assim que conseguir um emprego registrado. Por enquanto, está bem trabalhando no setor administrativo, mas no futuro gostaria de trabalhar com produção de eventos. “Eu entrei nessa faculdade (Fatec) porque era a opção gratuita mais perto de casa, e acabei gostando do curso. Eu gostaria de achar um trampo que me pagasse uns R$ 2.000, mas eu aceitaria menos, se fosse na minha região. Não quero ficar desempregada de jeito nenhum... ano que vem quero fazer uma plástica, custa uns R$ 7.000”.

Comentei que achava curiosa a maneira como ela elencava as prioridades e ela concordou: “É bem curiosa mesmo. Ano passado teve festa de fim de ano na igreja e todo mundo foi de roupa nova, e eu fui com minhas roupas de sempre. Me senti mal, jurei que não viajaria mais e que trocaria meu guarda-roupa. Dois meses depois comprei outra passagem”.


Se você quer aprender a construir um planejamento financeiro simples e eficiente, conheça o percurso Dinheiro Sem Medo.

eduardo antunes